A Canção de Lisboa (1933)

A Canção de Lisboa é um importante marco do cinema português, já que se trata trata do primeiro filme sonoro rodado integralmente com meios portugueses e é, também, o primeiro filme da “Comédia Portuguesa”, verdadeiro género cinematográfico e que marca um, se não o mais importante e rico período da filmografia portuguesa. Mas A Canção de Lisboa é muito mais do que um conjunto de efemérides: é um retrato perspicaz e inteligente da sociedade lisboeta da época.

Combinando comédia e música, A Canção de Lisboa resulta do trabalho de um conjunto de artistas e profissionais importantes do panorama cultural português, a começar pelo realizador Cottinelli Telmo. Arquitecto de profissão, Cottinelli Telmo foi responsável por alguns dos mais modernos edifícios de Lisboa, como a Estação do Terreiro do Paço, a fábrica da Standard Eléctrica e os estúdios da Tobis. Foi enquanto supervisionava a construção dos estúdios do Lumiar, que Cottinelli Telmo escreveu e realizou, com a ajuda do realizador Chianca de Garcia, A Canção de Lisboa. Para além destes, é possível encontrar, na ficha técnica, outros nomes tão relevantes da cultura portuguesa como: os conhecidos actores Beatriz Costa (uma das mais conhecidas actrizes de revista da época), Vasco Santana e António Silva; um jovem Manoel de Oliveira; o artista plástico Almada Negreiros, que concebeu alguns dos cartazes do filme; o poeta José Gomes Ferreira, como assistente de montagem; o pintor Carlos Botelho, como assistente de realização e os músicos Raul Portela e Raul Ferrão, responsáveis pelas canções do filme, entre elas “A Agulha e o Dedal”, uma das mais conhecidas canções populares portuguesas.

Todos estes elementos contribuíram para que A Canção de Lisboa fosse considerado um filme de prestígio e os valores dos bilhetes fossem mais caros. Tal não impediu que o filme fosse um sucesso de público, quer em Portugal, quer nas ex-colónias e até no Brasil. O sucesso foi tal, que os lucros do filme permitiram pagar parte dos estúdios da Tobis, então em construção e onde o filme foi rodado num estúdio improvisado.

A aparente simplicidade de A Canção de Lisboa ”esconde” um filme bastante trabalhado, que retracta na perfeição a sociedade da época. Para além disso, a combinação perfeita entre humor revisteiro e canções populares fazem do filme um excelente exercício cinematográfico e que o tornaram numa referência única do cinema português.

Tobis Portuguesa. Portugal, 1933, 85 min., musical
Realizador: José Cottinelli Telmo. Argumento: José Cottinelli Telmo. Actores: António Silva, Beatriz Costa, Vasco Santana, Manoel de Oliveira, Maria Albertina. Estreia em Portugal: 7 de novembro 1933 (São Luiz)

Um estudante de medicina boémio, que vive à custa de duas tias, recebe a visita destas em Lisboa e tenta passar a ideia de que é um excelente aluno.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *