Apocalypse Now (1979)

Apocalypse Now, mais do que o relato impressionante de um conflito bélico (Vietnam), é uma viagem ao lado mais negro da mente humana devassada pela violência e loucura da guerra. Ao relato do filme não se pode desassociar a história da sua produção, tão rocambolesca como os próprios eventos que o filme relata (de tal forma que a mulher de Francis Ford Coppola produziu um documentário sobre os bastidores do filme intitulado Hearts of Darkness: A Film-maker’s Apocalypse).

Depois do sucesso dos dois primeiros filmes da saga O Padrinho, Coppola decidiu filmar o livro de Joseph Conrad Heart of Darkness com um orçamento inicial de 10 milhões de dólares e um tempo de rodagem previsto de 17 semanas. Mas os problemas cedo começaram e após as duas primeiras semanas, Coppola despediu o seu actor principal (Harvey Keitel) e substitui-o por Martin Sheen, que acabou por ter um ataque cardíaco durante as filmagens, sendo substituído temporariamente pelo seu irmão. Outro actor que também provocou problemas foi Marlon Brando que aceitou interpretar o papel de Kurtz pela módica quantia de 1 milhão de dólares, sem ler o argumento. Quando o fez, ameaçou desistir da sua curta participação e ficar com o dinheiro. Após negociações, Brando aceitou rodar o filme mas apenas se fosse filmado na sombra (apareceu nas filmagens com 40 kilos a mais e estava quase sempre embriagado).

Francis Ford Coppola insistiu que o filme fosse todo rodado nas Filipinas, tendo contado com o apoio do governo de Ferdinand Marcos, que lhe emprestou os helicópteros e os pilotos. Mas as filmagens tiveram de ser muitas vezes interrompidas por que os helicópteros eram necessários para o governo de Marcos combater os rebeldes. Para além disso, o local das filmagens foi atingido por um tufão que destruiu vários cenários, atrasando a rodagem do filme em vários meses.

Após as filmagens (que acabaram por durar 16 meses), os problemas de Coppola não acabaram, tendo levado perto de 3 anos para montar as mais de 200 horas de filme que rodou. Depois de várias versões, decidiu-se por uma com 153 minutos, tendo o filme estreado nas salas de cinema em 1979 e com um custo final de 30 milhões de dólares. No entanto, em 2001, o realizador voltou a mexer no filme e criou uma nova versão com mais 53 minutos, que designou de Apocalypse Now Redux. Após uma boa receptividade por parte do público no Festival de Cannes (onde tinha ganho, 22 anos antes, a Palma de Ouro), esta nova versão teve uma breve passagem pelas salas de cinema no verão de 2001.

Apocalypse Now, que revelou actores como Martin Sheen, Robert Duvall e Laurence Fishburne e permitiu a Vittorio Storaro ser reconhecido pelo seu excelente trabalho como director de fotografia, demonstra que do caos pode nascer um extraordinário exercício fílmico, sendo ainda hoje considerado como o mais vivo relato do pesadelo que é a guerra, seja ela qual for.

Apocalypse Now
Zoetrope Studios / United Artists. EUA, 1979, 153m, Guerra.
Realizador: Francis Ford Coppola. Argumento: John Milius e Francis Ford Coppola; Michael Herr (narração); baseado no livro Heart of Darkness de Joseph Conrad. Actores: Marlon Brando, Martin Sheen, Robert Duvall, Dennis Hopper, Francis Ford Coppola, Scott Glenn. Estreia em Portugal: 21 de março de 1980

O Captain Willard viaja até à selva do Camboja com a missão de assassinar um boina verde que fugiu e se instalou no meio da tribo local.