História do cinema

História do Cinema: 1830 – 1899
Da descoberta da fotografia às imagens em movimento

História do Cinema: 1900-1909
Os nickelodeons

História do Cinema: 1910-1919
O início da industria cinematográfica e a influência da I Grande Guerra

História do Cinema: 1920-1929
A era do sonoro

História do Cinema: 1930-1939
O studio system

História do Cinema: 1940-1949
A influência da II Grande Guerra no panorama cinematográfico mundial

História do Cinema: 1950-1959
A Nova Vaga

História do Cinema: 1960-1969
O Fim da Censura

História do Cinema: 1970-1979
O Blockbuster

História do Cinema: 1980-1989
Blockbusters, Parte II: As Sequelas

História do Cinema: 1990-1999
Os independentes

História do Cinema: 1990-1999

Os independentes

À entrada da década de 90, os blockbusters continuavam a dominar Hollywood, mas os seus custos eram cada vez maiores e incomportáveis. Filmes com orçamentos entre os 100 e os 200 milhões de dólares tornaram-se comuns devido aos custos dos efeitos especiais, mas principalmente devido aos salários das estrelas, que podiam atingir os 20 milhões de dólares por filme. Com estes custos grande parte das produções estavam condenadas a perder dinheiro, mas o sucesso de filmes como Exterminador Implacável 2, Parque Jurássico, Forrest Gump e, principalmente, Titanic, desafiavam a lógica e sustentavam a economia de Hollywood.

À medida que os blockbusters cresciam em espectáculo e em custos, surgiam no mercado filmes de menor orçamento, mas de maior qualidade e que aos poucos começaram a ganhar o seu espaço. Iniciado com a criação do Instituto Sundance na década de 80, este “movimento”, que incluía realizadores como Quentin Tarantino, Kevin Smith, os irmãos Cohen, Todd Solondz, entre outros, soube tirar proveito do mercado, explorando de uma forma extremamente eficaz os diversos canais de distribuição de filmes: vídeo, canais por cabo, internet, salas de cinema, entre outros.

Hollywood viu-se, então, confrontada com uma nova realidade, que teve o seu ponto alto no final da década quando a produtora independente Miramax dominou, quase por completo, os Óscares. Mais surpreendida ficou quando o filme de baixo orçamento O Projecto Blair Witch (foto principal) arrecadou mais de 140 milhões de dólares, tornando-se num dos mais lucrativos filmes da história do cinema e obrigar Hollywood a levar a sério a internet como meio de comunicação.

Por detrás das câmaras, Hollywood também estava em transformação: a Disney tornou-se numa das mais poderosas empresas cinematográficas; a Orion Pictures, fundada em 1978, foi à falência em 1991 e três anos mais tarde o realizador Steven Spielberg, o ex-executivo da Disney Jeffrey Katzenberg e o magnata da música David Geffen formaram o primeiro estúdio de Hollywood em décadas, a Dreamworks SKG. Mas a transformação mais significativa dá-se a nível técnico, com o formato digital a abrir novas possibilidades, quer a nível de realização e montagem dos filmes, quer na distribuição destes. A verdadeira revolução digital a que se assistiu possibilitou a proliferação de novos realizadores, que de uma forma mais barata conseguiam realizar e distribuir os seus filmes.

Num mundo cada vez mais global e ajudado pelo movimento dos independentes nos Estados Unidos, diversas cinematografias nacionais começaram a ganhar o seu espaço: os filmes de Hong Kong, onde se destacam os protagonizados por Jackie Chan e Chow Yun-Fat, ganham cada vez maior aceitação no ocidente; Jane Campion e Peter Jackson dão uma nova força à cinematografia da Nova-Zelândia; Regresso a Howards End, Jogo de Lágrimas, entre outros reforçam a imagem de qualidade da Grã-Bertanha; na Dinamarca surge o único movimento cinematográfico da década (Dogma 95) e a Itália consegue a honra de ter dois filmes candidatos ao Óscar de melhor filme.

Timeline, Década 1990-1999

1990

  • O investidor italiano Giancarlo Paretti assume o controlo da Metro-Goldwyn-Mayer (MGM), pouco antes de ser condenado por fraude num tribunal do seu país.
  • A gigante japonesa da electrónica de consumo Matsushita Industrial compra a MCA/Universal.
  • A Time Warner adquire os direitos videográficos dos filmes da United Artists.
  • O salário de 13 milhões de dólares que Arnold Scharzenegger terá recebido pela sua participação em Desafio Total dá novo alento à controvercia sobre o escandaloso aumento dos salários das estrelas de cinema.
  • O número de drive-ins, nos EUA, diminui para menos de mil.
  • Diversos realizadores, entre eles Martin Scorsese, criam a Film Foundation, que tem como objectivo promover a preservação de filmes.

1991

  • Muito embora o sucesso de Silêncio dos Inocentes, a Orion Pictures enfrenta uma grave crise financeira. Sem dinheiro para promover e distribuir os filmes que tem em carteira, adia as suas estreias e acaba por declarar falência.
  • O banco Credit Lyonnais, o maior credor da MGM, força Giancarlo Paretti a abdicar do controlo do estúdio, cujos filmes continuam a revelar-se verdadeiros fracassos de bilheteira.
  • Os filmes A Malta do Bairro e A Cidade do Novo Paraíso, dramas sobre os guetos norte-americanos, provocam violência nas salas de cinema.
  • Barton Fink, dos irmãos Coen, é o primeiro filme a ganhar os três principais prémios do Festival de Cinema de Cannes (Palma de Ouro, melhor realizador e melhor actor).
  • Cyrano de Bergerac ganha uns impressionantes 10 Césars, os prémios franceses equivalentes aos Óscares.
  • Tilai, filme vencedor do prémio especial do júri de Cannes, confirma Idrissa Ouedraogo, do Burkina Faso, com uma das principais realizadoras do continente africano.
  • Os filmes norte-americanos dominam 86% do mercado egípcio.

1992

  • O valor gasto pelos norte-americanos no aluguer ou compra de filmes representa o dobro do que gastam em bilhetes de cinema.
  • Diversos estúdios cinematográficos mudam os seus responsáveis pela produção.
  • A MGM abandona as suas famosas instalações em Culver City, na Califórnia, que são ocupadas pela Sony.
  • Malcom X, do realizador Spike Lee, é financiado por parte da comunidade negra de Hollywood, mas o filme gera controvérsia entre a comunidade, nomeadamente em alguns intelectuais, que questionam a capacidade de Lee em “contar” a história do carismático lider.
  • Receando violência, os estúdios de Hollywood encerram mais cedo no dia em que é anunciado o veredicto do caso Rodney King (um negro espancado por polícias brancos).
  • Instinto Fatal, famoso pelas suas cenas ousadas, torna Sharon Stone numa estrela de cinema.
  • O canal de televisão britânico BBC é criticado pelo Parlamento por transmitir o filme A Última Tentação de Cristo.
  • O parque temático Eurodisney abre as suas portas em Paris.
  • As autoridades sul-coreanas permitem a distribuição do filme White Badge, o primeiro filme anti-guerra do país.

1993

  • A Disney compra a distribuidora independente Miramax.
  • Mais de 3/4 das casas norte-americanas com televisão também possuem gravadores VHS.
  • A detenção de Heidi Fleiss, cujos serviços de prostituição eram utilizados por muitas celebridades em Hollywood, cria um escândalo nacional.
  • As mortes de Brandon Lee e River Phoenix abalam a comunidade cinematográfica americana: Lee, filho do actor Bruce Lee, foi vítima de um acidente com uma pistola enquanto filmava uma cena do filme O Corvo; Phoenix faleceu à porta de uma discoteca, vítima de uma mistura de álcool e drogas.
  • França consegue manter a taxa de importação de filmes norte-americanos durante as negociações sobre as tarifas de comercio internacional.
  • O filme francês Germinal, com Gerard Depardieu e realizado por Claude Berri, torna-se no filme europeu mais caro de sempre, com um custo total de 175 milhões de francos.

1994

  • Los Angeles é abalada por um tremor de terra que destrói algumas instalações cinematográficas.
  • A Viacom adquire a Paramount Pictures.
  • A Sony declara milhões de dólares de prejuízo nos seus investimentos cinematográficos e despede Peter Guber, executivo responsável pela divisão de filmes.
  • Steven Spielberg, Jeffrey Katzenberg e David Geffen criam o estúdio DreamWorks SKG.
  • O visionamento dos filmes candidatos aos Óscares em cassetes VHS, em vez de nas salas de cinema, é pratica comum entre os membros da Academia das Artes e Ciências Cinematográficas que votam nos prémios.
  • Ao não ganhar o óscar para melhor documentário, Hoop Dreams leva a Academia das Artes e Ciências Cinematográficas a rever as suas regras para a votação nessa categoria.
  • Documentos internos de uma tabaqueira norte-americana revelam que pagou 1 milhão de dólares, entre 1979 e 1983, para que os seus cigarros surgissem claramente em 22 filmes.
  • Nos Estados Unidos, o IFC, canal de filmes independentes, inicia a sua emissão.
  • Quentin Tarantino ganha a Palma de Ouro do Festival de Cannes, com Pulp Fiction.
  • Após o sucesso de filmes como Ace Ventura: Detective Animal e A Máscara, Jim Carrey torna-se o novo rei da comédia norte-americana.
  • A Grã-Bretanha adopta medidas ainda mais rígidas que impedem a distribuição e exibição de filmes violentos.
  • O filme britânico Quatro Casamentos e um Funeral torna-se um sucesso inesperado, inclusive nos Estados Unidos.
  • A Irlanda bane o filme Assassinos Natos.
  • Diversas nações Árabes banem o filme norte-americano A Lista de Schindler, devido ao sexo e violência.

1995

  • Os custos de produção de um filme em Hollywood duplicam em 5 anos.
  • Robert Redford, actor e fundador do Festival Sundance, cria o canal por cabo Sundance para a exibição de filmes independentes.
  • William Groom, autor do livro em que foi baseado o filme **Forrest GumpPP, desafia a declaração da Paramount Pictures de que o filme teve um prejuízo de 62 milhões de dólares. As práticas contabilísticas dos estúdios de Hollywood passam, então, a ser mais escrutinadas.
  • O Rei Leão atinge as 20 milhões de cópias vendidas nos Estados Unidos.
  • A exibição de A Última Sedução no canal HBO, antes da sua estreia nas salas de cinema, é um exemplo da crescente convergência entre os diversos meios de comunicação.
  • O filme de animação da Disney Pocahontas tem a maior estreia da história do cinema ao ser exibido, gratuitamente, no Central Park de Nova Iorque para 100 mil pessoas.
  • Toy Story: Os Rivais é a primeira longa-metragem de animação totalmente feita por computador.
  • A cobertura jornalística do Festival de Cannes por diversos sites de internet e a grande campanha publicitária do filme Batman para Sempre, também na internet, confirmam a importância deste novo meio de comunicação na promoção e divulgação da sétima arte.
  • O número de espectadores de cinema na China é estimado em 5 biliões, aproximadamente 4 vezes mais do que nos Estados Unidos. Perante estes números, Hollywood expressa o seu desejo em entrar no mercado chinês.
  • A China não permite o realizador Yimov Zhang de participar no Festival de Nova Iorque deste ano porque um dos filmes do festival é The Gate of Heavenly Place, sobre os acontecimentos da Praça Tianamen, em 1989.

1996

  • A cerimónia de entrega dos prémios norte-americanos Globos de Ouro é transmitida pela primeira vez na televisão.
  • O Dia da Independência arrecada cerca de 100 milhões de dólares nos primeiros dias de exibição: a estreia de maior sucesso na história do cinema.
  • O sucesso de filmes em língua estrangeira nos Estados Unidos é tão baixo que a maioria não consegue arrecadar sequer 1 milhão de dólares, valor mínimo para que a distribuição de um filme seja rentável.
  • O Carteiro de Pablo Neruda, é o primeiro filme em língua estrangeira desde Lágrimas e Suspiros (1973) a ser nomeado para o Óscar de melhor filme.
  • A China pressiona a Disney a não produzir o filme Kundun, sobre a vida do Dalai Lama. Pequim ameaça impedir a empresa a entrar no lucrativo mercado chinês. A Disney avança para a produção do filme.
  • Os Estados Unidos pressionam a China a combater a pirataria cinematográfica.

1997

  • Nos Estados Unidos, os custos de produção e distribuição de um filme aumentam 150% no espaço de uma década.
  • À excepção de Jerry Maguire, os filmes independentes dominam as nomeações dos Óscares deste ano.
  • As bandas sonoras dominam a lista dos álbuns mais vendidos nos Estados Unidos.
  • Titanic, a mais cara produção de sempre, desafia todas as expectativas e torna-se, também, o filme de maior sucesso de bilheteira do mundo.
  • A produção cinematográfica britânica aumenta, graças a incentivos fiscais e a fundos provenientes da lotaria nacional.
  • A indústria cinematográfica dos países da ex-União Soviética atinge o seu ponto mais baixo: os filmes norte-americanos dominam os diversos mercados e muitos dos seus artistas emigram à procura de trabalho.
  • O público chinês rejeita maioritariamente a produção nacional a favor dos filmes norte-americanos.

1998

  • A Warner Bros. e a Disney reduzem a produção cinematográfica de forma a reduzirem custos. A Disney ressente-se do fraco retorno de Amada, que custou 80 milhões de dólares, e de Armageddon, que muito embora tenha sido o campeão de bilheteira do ano, teve dificuldades em recuperar os 200 milhões de dólares de orçamento.
  • Titanic ganha 11 Óscares e iguala Ben-Hur (1959) como o filme mais premiado de sempre.
  • O fraco sucesso dos seus filmes faz com que Woody Allen tenha de cessar a colaboração com a equipa de produção com que trabalhava à mais de duas décadas.
  • O Mundo a seus Pés encabeça a lista dos 100 melhores filmes norte-americanos do American Film Institut.
  • E Tudo o Vento Levou volta a ser exibido nas salas de cinema, restaurado digitalmente e no formato original.
  • O ministro da cultura francês anuncia a Maison du Cinema, um centro cultural dedicado aos estudos cinematográficos e preservação de filmes.
  • Em Itália, onde 75% dos filmes exibidos são estrangeiros, uma greve dos profissionais de dobragem afecta seriamente a industria cinematográfica do país.
  • No Japão, os filmes nacionais representam apenas 30% do mercado do país, o valor mais baixo de sempre.
  • Titanic é o primeiro filme em língua inglesa a ter sucesso na Índia antes de ser dobrado em Hindu.

1999

  • Nos Estados Unidos, o custo médio da produção de um filme desce 2,3%, segunda descida em 2 anos, confirmando a preocupação da industria no controlo dos custos de produção que tinham disparado anos antes.
  • A quota de mercado dos filmes norte-americanos atinge os 70% na Europa. Na última década, o mercado não-americano passa a representar metade das receitas de um filme americano.
  • Nos Estados Unidos, os leitores de DVD atingem os 5 milhões de unidades vendidas.
  • O Óscar honorário a Elia Kazan gera polémica devido à sua colaboração, na década de 50, com o Comité de investigação de Actividades Anti-Americanas.
  • Giancarlo Paretti, que controlou a MGM até ao início da década, é acusado de fraude nos Estados Unidos e investigado criminalmente noutros países.
  • Devido a dificuldades financeiras, a Dreamworks desiste do seu plano de construir um complexo cinematográfico em Los Angeles.
  • A MGM “ressuscita” a personagem James Bond e promove-a junto das gerações mais novas, com mais de 100 horas de programação na MTV.
  • A fim de evitar a classificação de filme pornográfico, uma cena de orgia do filme De Olhos Bem Abertos, de Stanley Kubrick, é alterada digitalmente.
  • O poder da internet como meio de comunicação é confirmada com o sucesso inesperado do filme de baixíssimo orçamento (30 mil dólares) O Projecto Blair Witch Project. O filme obtém mais de 100 milhões de dólares de receitas de bilheteira graças à sua inteligente promoção na internet.
  • Numa sala de cinema de Hollywood, a fila de espera para comprar bilhete para Star Wars: Episódio I – A Ameaça Fantasma começa 3 semanas antes do filme estrear.
  • Em França, os filmes nacionais perdem 10% da quota de mercado, a maior descida na Europa em toda a década, passando a representar menos de 30% do mercado.
  • O filme curdo Yol, realizado em 1982 por Yilmaz Guney, é exibido pela primeira vez na Turquia.

História do Cinema: 1980-1989

Blockbusters, Parte II: As Sequelas

Após se ter reiventado na década anterior, a indústria cinematográfica norte-americana é dominada, nos anos 80, pelos blockbusters e pelas sequelas. Se em 1975 e 1977, Tubarão e Guerra das Estrelas, respectivamente, demonstraram que existia uma vasta camada de público jovem que se sentia atraída por grandes espectáculos cinematográficos, O Império Contra-Ataca e O Regresso de Jedi provaram que o público queria mais do mesmo. Assim, a produção cinematográfica revelou-se uma competição para ver quem conseguia produzir o maior espectáculo, gerar mais sequelas, vender mais merchandising e, claro, gerar mais dinheiro.

O excesso, a imagem de marca da década de 80, revelou-se em filmes como Caça-Fantasmas, Rambo, Arma Mortífera, Assalto ao Arranha-céus e Batman, todos eles sucessos de bilheteira. Filmes dirigidos aos mais velhos tornaram-se escassos numa indústria que se reorganizou à volta do Verão e do Natal, período em que os mais jovens não têm aulas.

Dominado pelos filmes-espectáculo, Hollywood viu o orçamento médio de um filme disparar vertiginosamente, grande parte gasto em publicidade. Como forma de proteger os seus investimentos, os estúdios contratam criativos (actores, realizadores, argumentistas) com provas dadas, pagos a peso de ouro. Neste cenário, alguns actores, “ajudados” pelos seus agentes, ganharam um poder nunca antes visto e conseguiram salários verdadeiramente astronómicos, com base em complexos contratos, que incluíam também parte dos lucros das receitas de bilheteira.

Muito embora alguns falhanços comerciais, Hollywood manteve, durante a década, uma economia invejável, sustentada pelos sucessos de bilheteira, pela massificação dos gravadores de vídeo (VHS) e da televisão por cabo, assim como pelo aumento do domínio dos filmes norte-americanos nos mercados internacionais.

Preocupados em criar um espectáculo ainda maior que o anterior, os grandes estúdios de Hollywood sentiam-se relutantes em apostar em histórias pouco convencionais e a procura de filmes de qualidade começou a ser preenchida, já no final da década, por empresas independentes como a New Line e a Miramax. Este movimento independente, que viria a consolidar-se nos anos 90, teve como pilar importante o Festival de Sundance, organizado pelo instituto com o mesmo nome, criada pelo actor Robert Redford em 1980 para ajudar jovens realizadores. O Festival tornou-se numa excelente montra, revelando novos talentos e dando a conhecer filmes que dificilmente chegariam às salas de cinema. O mais importante filme revelado pelo Festival foi Sexo, Mentiras e Vídeo, que, em 1989, transformou o panorama cinematográfico independente norte-americano e o próprio evento, confirmando que o cinema independente conseguia produzir filmes de qualidade e atrair público às salas de cinema.

Fora dos Estados Unidos, a década de 80 revelou-se um período prolífero em filmes de qualidade, embora as produções norte-americanas dominassem os diversos mercados internacionais. Na Europa, realizadores como Bertrand Tavernier e Diane Kurys (França), Pedro Almodóvar (Espanha), Stephen Frears e Neil Jordan (Grã-Bertanha) são aclamados pelos seus filmes e aumentam o prestígio da produção europeia.

Na União Soviética, a década é um tempo de criatividade, resultado dos ventos de mudança que o país atravessa com a liderança de Mikhail Gorbachev. O 5º Congresso dos realizadores soviéticos, em 1986, marca uma nova era de abertura e independência na produção cinematográfica do pais. Nikita Mikhalkov, Andrei Tarkovsky e Tergiz Abuladze são apenas alguns dos realizadores cujos trabalhos marcam esta nova era da cinematografia soviética.

Também a atravessar um período de transformação, a China assiste a um rejuvenescimento cinematográfico, nomeadamente com a reabertura da Academia de Cinema de Beijing (fechada desde a Revolução Cultural nos anos 60) e cujos primeiros licenciados (Zhang Yimov, Chen Kaige, entre outros) dão um novo impulso ao cinema chinês e tornam-se internacionalmente conhecidos como a 5ª geração de realizadores chineses.

Timeline, Década 1980-1989

1980

  • Ronald Reagan, actor de filmes de série B, é eleito Presidente dos Estados Unidos.
  • Sherry Lansing torna-se a primeira mulher à frente de um dos grandes estúdios de Hollywood. Lansing ocupará o cargo de presidente da 20th Century Fox durante dois anos.
  • O sindicato dos actores de cinema e televisão entre em greve durante 10 semanas. A greve, que provocou o encerramento da produção cinematográfica, custou mais de 400 milhões de dólares de prejuízo.
  • O filme de Michael Cimino As Portas do Céu, o mais caro à época e com três horas de duração, é um falhanço comercial e de crítica. Como consequência, o estúdio responsável pelo filme, a United Artists, entra em crise financeira, sendo, mais tarde, adquirido pela Metro-Goldwyn-Mayer.
  • A empresa britânica Rank Organization cessa a sua produção cinematográfica e concentra as suas actividades apenas na distribuição e exibição de filmes.
  • Os arquivos da Cinemateca Francesa são parcialmente destruídos por um incêndio.
  • A Índia cria um organismo para a promoção dos seus filmes.

1981

  • A Metro-Goldwyn-Mayer finaliza a aquisição da United Artists.
  • A Walt Disney expande o seu negócio à televisão por cabo com a criação do Disney Channel.
  • O magnata do petróleo Marvin Davis adquire a 20th Centuty-Fox.
  • O sindicato dos argumentistas entra em greve durante três meses.
  • O Congresso Norte-Americano inicia inquéritos sobre o uso de drogas no mundo do espectáculo.
  • Ragtime é o primeiro filme do actor James Cagney em 20 anos.
  • Uma nova versão de As Portas do Céu, com menos um quarto de duração, é novamente um fracasso de bilheteira.
  • A sala de espectáculos de Nova-Iorque Radio City Music Hall exibe o filme Napoleon, realizado por Abel Gance em 1927, em três ecrãs.

1982

  • E.T. – o Extra-Terrestre, de Steven Spielberg, estreia neste ano e bate A Guerra das Estrelas como o filme com maior número de espectadores.
  • A famosa empresa de refrigerantes Coca-Cola compra a Columbia Pictures.
  • A percentagem de filmes produzidos pelos grandes estúdios de Hollywood rodados fora dos Estados Unidos sobe 75% comparativamente com o ano anterior.
  • O estúdio Columbia Pictures, o canal de televisão generalista CBS e a estação de televisão por cabo HBO criam a produtora Nova, que tornar-se-á, mais tarde, na Tri-Star Pictures.
  • Embora apenas 10% dos lares norte-americanos tenham gravadores de vídeo (VHS), a receita da venda de filmes neste formato é já uma importante fonte de receitas.
  • O canal de televisão britânico Channel 4 inicia as suas emissões e torna-se num dos pilares da produção cinematográfica do país, produzindo filmes que exibe após a sua exploração em salas de cinema.
  • O governo polaco aumenta a pressão política sobre alguns artistas, entre os quais o realizador Andrej Wajda, e dissolve o sindicato de actores.

1983

  • Nos Estados Unidos, o preço médio de um bilhete de cinema ultrapassa os 3 dólares.
  • A estreia do filme O Regresso do Jedi, que utiliza o sistema de som THX desenvolvido pela empresa do realizador George Lucas, marca a aceitação do mercado a este sistema de som.
  • Um incêndio de grandes proporções destrói parte dos cenários permanentes dos estúdios da Paramount Pictures, entre eles, o das ruas de Nova Iorque.
  • A média de espectadores das salas de cinema francesas diminui mais de 5% em relação ao ano anterior.
  • O ministro francês Jack Lang torna-se o grande responsável pelo reavivar da produção cinematográfica francesa, nomeadamente pelas medidas que tornaram mais fácil o financiamento de filmes.
  • Ingmar Bergman anuncia que abandona a realização após a estreia do seu último filme, Fanny e Alexander. Bergman regressaria ao trabalho no ano seguinte, filmando para televisão.
  • Gandhi torna-se o filme estrangeiro de maior sucesso na Índia.

1984

  • Nos Estados Unidos, as queixas de violência excessiva nos filmes leva à criação de uma nova classificação (PG-13), que avisa que um filme pode ter conteúdos não aconselháveis a menores de 13 anos.
  • O Supremo Tribunal Norte-Americano declara que a gravação de filmes para uso pessoal não viola as leis de direito de autor.
  • A Walt Disney cria a produtora Touchstone Pictures para a produção de filmes para um público mais adulto. Splash – A Sereia é o primeiro filme da produtora e revela-se um grande sucesso de bilheteira.
  • O governo francês agracia o actor norte-americano Jerry Lewis, considerando-o um génio da comédia.
  • França e a Walt Disney anunciam a construção de um parque temático em Paris.
  • A produção cinematográfica italiana “resume-se” a 30 filmes neste ano, comparados com os 294 estreados em 1968.

1985

  • Mais de 25% dos lares norte-americanos possuem um gravador de vídeo (VHS).
  • O magnata australiano dos meios de comunicação, Rupert Murdoch, compra a 20th Century-Fox.
  • Filmes pintados são exibidos pela primeira vez em televisão.
  • O sucesso do filme Desesperadamente à Procura de Susana confirma a crescente importância dos filmes independentes.
  • A personagem John Rambo, interpretada por Sylvester Stallone em Rambo, torna-se num controverso símbolo militar e político.
  • A indústria cinematográfica britânica lança a promoção “O Ano do Cinema Britânico”, uma tentativa de contrariar a grande redução de subsídios à indústria por parte do governo de Margareth Thatcher.
  • A produtora britânica Goldcrest excede-se na produção de Revolution, que conta com a participação de Al Pacino, na altura um dos mais caros actores norte-americanos. O filme revela-se um desastre de bilheteira e leva a produtora à falência.
  • O filme erótico Emmanuelle termina a sua carreira de mais de 10 anos de exibição na sala parisiense Triomphe.
  • Jean-Luc Godard é atingido na cara por uma tarte durante o Festival de Cinema de Cannes.
  • O 1º Festival Internacional de Cinema de Tóquio gera controvérsia devido à censura a um filme sobre o autor de direita Yuko Mishima.
  • O fim da ditadura no Brasil permite que temas sociais e políticos sejam abordados em filmes nacionais.

1986

  • A estreia de A Bela Adormecida, da Disney, em formato VHS vende mais de 1 milhão de cópias nos Estados Unidos.
  • Ted Turner compra o catálogo de filmes da MGM/United Artists.
  • O produtor David Puttman torna-se no primeiro britânico a dirigir um grande estúdio de Hollywood, a Columbia Pictures. Puttman abandona o posto um ano depois devido aos muitos conflitos com os colegas.
  • A colorização de filmes exibidos em televisão torna-se num problema artístico, nomeadamente, quando o realizador John Huston protesta contra a colorização do seu filme Relíquia Macabra.
  • A personagem interpretada por Sigourney Weaver em Aliens ganha o apoio de muitas femininistas.
  • A diferença salarial entre estrelas norte-americanas mantêm-se, com Sylvester Stallone a ganhar 17 milhões de dólares por filme (o maior entre os homens) e Barbara Streisand a liderar as actrizes mais bem pagas ao receber 5 milhões de dólares por filme.
  • Por razões económicas, a Thorn-EMI vende os seus interesses cinematográficos, onde se incluíam os famosos estúdios Elstree, à Cannon Group.
  • O número de espectadores, em França, é apenas de 1.6 milhões.

1987

  • Los Angeles sofre um violento tremor de terra que provoca a interrupção da produção cinematográfica.
  • É posto à venda o primeiro número da versão norte-americana da revista francesa Premiere.
  • A personagem interpretada por Glenn Close em Atracção Fatal gera controvérsia e provoca discussões sobre as relações entre homens e mulheres.
  • Os famosos estúdios ingleses Pinewood, conhecidos por “alojar” as filmagens da série James Bond, resumem-se a um espaço para a lugar.
  • Em França, a crise cinematográfica agoniza-se com o fecho de cerca de 350 salas de cinema.
  • A crise chega também à Dinamarca, que perde duas salas de cinema, em média, por mês.

1988

  • De acordo com o recente “Acto de Preservação de Filmes”, o governo norte-americano deve designar 25 filmes por ano que devem conter um aviso se forem pintados. O aviso referencia que os autores dos filmes não deram o seu consentimento para a utilização do processo.
  • Nos Estados Unidos, o número de drive-ins desce para o seu valor mais baixo: 1500. No seu auge, existiam mais de 6 mil deste tipo de recintos.
  • O número de filmes de terror produzidos em Hollywood duplica no espaço de 3 anos.
  • Os argumentistas entram em greve por um período de seis meses, cujos custos são avaliados em 150 milhões de dólares.
  • O filme E.T. – O Extra-Terrestre vende mais de 15 milhões de cópias em VHS nos Estados Unidos.
  • O Museu das Imagens em Movimento abre as suas portas em Londres.
  • Os famosos estúdios britânicos Elstree são salvos, à última da hora, da demolição.
  • Numa entrevista, o realizador francês Jean-Luc Godard, um dos mais conhecidos autores da Nouvelle Vague, declara que o “cinema está morto”.
  • A atribuição do Urso d’Ouro do Festival de Berlim ao filme Milho Vermelho é o reconhecimento das qualidades da cinematografia chinesa.
  • O filme Little Woman, sobre uma jovem alienada, marca os ventos de mudança da União Soviética, liderada por Mikhail Gorbachev. O filme é um sucesso internacional.

1989

  • A Warner Communications funde-se com a Time, Inc. e criam a maior empresa mundial de entretenimento.
  • A Columbia Pictures funde-se com a Tri-Star Pictures.
  • A gigante japonesa Sony compra a Columbia Pictures e a Tri-Star Pictures à Coca-Cola por 3.4 biliões de dólares e posteriormente funde-as à Guber-Peters Entertainment Company. Jon Peters e Peter Guber passam a chefiar a nova divisão cinematográfica da Sony.
  • A indústria cinematográfica norte-americana reclama que a pirataria e as quotas de importação e distribuição internacionais lhe custam cerca de 1 bilião de dólares por ano.
  • A Fantástica Aventura de Bill e Ted é o primeiro filme do género “humor estúpido” a ter sucesso junto do público, que se mantém até aos dias de hoje.
  • A receita de mais de 8 milhões de dólares do filme Roger & Me é o valor mais alto conseguido por um documentário não-musical até então.
  • O documentário A Verdade Contra Tudo, que prova que um homem tinha sido erradamente acusado de assassinato, ajuda a que a sentença seja revista.
  • Numa tentativa de reavivar o mercado norte-americano para os seus filmes, a indústria francesa cria o 1º Festival de Cinema Francês em Nova Iorque.
  • Realizadores sul-coreanos mostram o seu desagrado contra o domínio de filmes norte-americanos no país, soltando cobras em várias salas de cinema.