O Cantor de Jazz (1927)

“Wait a minute, wait a minute. You ain’t heard nothin’ yet!”

O Cantor de Jazz é uma das referências da sétima arte devido à utilização de som sincronizado e marca uma das maiores revoluções ocorridas na industriam cinematográfica. No entanto, o drama realizado por Alan Crosland não foi, como é muitas vezes referido, o primeiro filme sonoro da história do cinema (essa honra cabe a Don Juan, de 1926), nem o primeiro filme da empresa Vitaphone: O Cantor de Jazz é sim a primeira longa-metragem com diálogos da história da sétima arte.

O investimento da Warner Bros., então um pequeno estúdio em Hollywood, no sistema sonoro da Vitaphone revelou-se acertada, já queO Cantor de Jazz foi recebido entusiasticamente pelo público (arrecadando 3.5 milhões de dólares de receita de bilheteira), salvou o estúdio de um período difícil e, mais importante, revolucionou a indústria cinematográfica para sempre.

Interpretado pelo popular cantor Al Jolson (uma terceira escolha, já que Eddie Cantor e George Jessel recusaram participar no filme), O Cantor de Jazz é baseado numa pequena história que Samson Raphaelson escreveu em 1921 e serviu de base à peça da Broadway com o mesmo nome. Al Jolson aproveita o filme para a promoção das suas canções, que fizeram o delírio do público e permitiu o sucesso do filme, e abriu caminho à generalização do sonoro na sétima arte.

Embora o filme tenha sido considerado inelegível para o Óscar de melhor filme, uma vez que consideraram que era injusto para os restantes filmes, todos mudos, o chefe de produção da Warner Bros. (Darryl F. Zanuck) foi laureado com um prémio especial na primeira cerimónia dos Óscares, em 1929, por ter produzido um filme que revolucionou a indústria cinematográfica. Para além desta distinção, O Cantor de Jazz foi nomeado para duas outras categorias: melhor adaptação cinematográfica e melhores efeitos especiais, não tendo ganho nenhum dos prémios.

Em 1952, Michael Curtiz, realiza um interessante remake com Danny Thomas e Peggy Lee nos papéis principais e, em 1980, o conhecido cantor e compositor Neil Diamond interpreta uma nova versão da história, que é a mais conhecida nos nossos dias.


The Jazz Singer
Warner Bros. Pictures / Vitaphone Corporation. Estados Unidos, 1927, 88 min., drama. Realizador: Alan Crosland. Argumento: Jack Jarmuth (titulos), Alfred A. Cohn (adaptação), Samson Raphaelson (peça), baseado na história The Day of Atonement de Samson Raphaelson. Actores: Al Jolson, May McAvoy, Warner Oland, Eugenie Besserer, Otto Lederer, Robert Gordon, Richard Tucker. Estreia em Portugal: 27 de Fevereiro 1929

Jakie Rabinowitz é o filho de um cantor judeu que quebra a tradição familiar ao dedicar-se ao jazz. Quando regressa a casa é mal recebido pelo seu pai que não lhe perdoa a traição. Na noite do seu triunfo, no cabaré onde trabalha, Jackie recebe a notícia que o seu pai está à beira da morte e, por respeito, não actua e vai cantar no templo em seu lugar.