Os Onze de Oceano (1960)

Tendo iniciado a moda dos filmes de assaltos na década de 1960, Os Onze de Oceano fica na história do cinema essencialmente como o mais emblemático filme do Rat Pack. Literalmente uma reunião de todos os membros do grupo liderado por Frank Sinatra, o filme vale pela ficcionalização de um estilo de vida que se tornou lendária em Hollywood. Enquanto criação artística, Os Onze de Oceano é um produto incoerente, que facilmente seria esquecido se não fosse os seus protagonistas. Mas são precisamente estes que dão vida ao filme, representando-se a eles próprios e transmitindo as suas personas reais.

Filmado de madrugada, após os espectáculos que Sinatra, Martin e Davis, Jr. tinham em Las Vegas, Os Onze de Oceano foi bastante improvisado e contou com um improvável realizador: Lewis Milestone, que ficou conhecido pela versão de 1930 de All Quiet in the Western Front. Para o realizador este seria apenas mais um trabalho que lhe permitia pagar as contas, mas acabou por ser, nas suas próprias palavras, o pior trabalho da sua vida, graças ao difícil temperamento de Frank Sinatra.

Embora fraco e com críticas negativas, Os Onze de Oceano foi um sucesso de bilheteira (o maior da carreira de Sinatra) e ajudou a reforçou a imagem do Rat Pack. De tal forma, que a imagem cool do grupo perdura até aos nossos dias e, em 2001, Brad Pitt e George Clooney protagonizaram uma nova versão de Os Onze de Oceano, numa das raras ocasiões em que o remake é melhor que o original.


Ocean’s Eleven
Warner Bros. EUA, 1960, 127 min, crime. Realizador: Lewis Milestone. Argumento: Harry Brown e Charles Lederer, baseado numa história de George Clayton Johnson e Jack Golden Russell. Actores: Frank Sinatra, Dean Martin, Sammy Davis Jr., Peter Lawford, Joey Bishop, Henry Silva, Angie Dickinson, Richard Conte, Cesar Romero

Um grupo de ex-militares da II Grande Guerra reune-se para assaltar os cinco maiores casinos de Las Vegas.